Maria diz que Governo precisa reavaliar retorno às aulas

A deputada Maria Mendonça, somou-se aos professores e demonstrou preocupação com o retorno das aulas presenciais para os 1º e 2º anos do Ensino Fundamental da Rede Pública Estadual, previsto para a próxima segunda-feira (10). "O Governo Estadual precisa reavaliar esse direcionamento. Como justificar o retorno das aulas de forma presencial num momento onde a própria Organização Mundial da Saúde classifica como trágica a nova onda de coronavírus no Brasil?", indagou.


Maria ainda ressaltou o último boletim epidemiológico de Sergipe publicado pela Secretaria Estadual da Saúde publicado na terça-feira (4). "No momento temos 872 casos e 27 mortes, que estavam em investigação e foram confirmadas. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, que utiliza dados publicados pelas Secretarias Estaduais de todo o Brasil, esses números indicam que Sergipe se encontra num ritmo acelerado de casos", contou a parlamentar.


"Entre a Educação e a vida, precisamos optar pela vida. Afinal, ao perdê-la não há como recuperá-la. No tocante à aprendizagem, por outro lado, ainda é possível buscar alternativas para sua retomada. Nos últimos dias, todos perdemos no mínimo amigos, conhecidos, pessoas que admiramos ou, quando não, familiares. Não podemos deixar de levar em conta a preocupação desses profissionais", defendeu a deputada.


Ao tratar sobre o tema, Maria também demonstrou preocupação com a deflagração de greve  anunciada pelo Sindicato dos Professores, o Sintese. "Os professores e professoras entraram em greve pela defesa da vida, por testagem dos estudantes e por condições sanitária nas escolas. Precisamos dar atenção a essa preocupação deles", explicou.


A parlamentar relembrou a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), proferida na última segunda-feira (3). O ministro suspendeu uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que autorizava o governo do Rio a, entre outras medidas, antecipar a vacinação de profissionais da educação.


"Se isso aconteceu para o Estado do Rio de Janeiro, pode muito bem acontecer aqui. Lewandowski foi claro ao estipular que as autoridades podem até mudar a ordem dos grupos prioritários, mas devem seguir critérios técnicos e científicos. Portanto, acredito que o Governo do Estado e o Comitê Técnico-Científico devem reconsiderar essa questão, principalmente no que se refere a antecipação da vacinação para os docentes que retornam às atividades presenciais", disse Maria.


DE OLHO NO INSTAGRAM