MARIA MENDONÇA DESABAFA E DIZ ?SOU LEAL E VERDADEIRA, MAS NÃO SOU SUBSERVIENTE?

A deputada estadual Maria Mendonça (PSB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, no início da tarde desta quarta-feira (29), para anunciar publicamente que estava entregando todos os cargos que ela havia indicado no governo de Marcelo Déda (PT). No discurso, já na Explicação Pessoal, a parlamentar fez uma espécie de histórico da trajetória política de sua família, quanto aos compromissos políticos assumidos e cumpridos até a gestão petista. Maria disse que tem palavra e que em momento algum traiu o governador, mas relatou que já tinha compromisso com a reeleição de Angélica Guimarães (PSC) e que faltou a Marcelo Déda maior articulação para liderar seus liderados.

Da tribuna da Assembleia, e visivelmente emocionada, Maria Mendonça disse que "sou leal e sou verdadeira. Não sou subserviente. Fui procurada pela amiga e deputada Angélica Guimarães que me pedia o apoio para a sua reeleição. Ela medisse que precisava antecipar a eleição porque tinha um projeto para a Casa. Ela tem o projeto que eu sempre defendi aqui na AL que foi o plano de cargos e salários dos servidores. Ela me mostrou o compromisso com a construção do anexo e quanto conseguiu deixar de reserva em 2011. E eu lhe dei a minha palavra".

"Além de demonstrar seus projetos, Angélica também se mostrou fiel ao governo de Marcelo Déda. Ela vem desenvolvendo um trabalho para garantir a reserva de recursos para tocar seus projetos. Conversei sobre isso com a deputada Conceição Vieira (PT) que tinha dado minha palavra. Por conta do Carnaval, não falei com Francisco Gualberto (PT). O tempo não foi suficiente, mas na segunda eu sentei com o senador Valadares (PSB) e comuniquei a ele a minha decisão. Ele me pediu que eu falasse com o governador" explicou Maria Mendonça.

Em seguida, a parlamentar revelou que no percurso do PSB até o Palácio recebeu um telefonema do Chefe da Casa Civil, Jorge Alberto, agendando uma audiência com o governador para as 16h30. "Nem precisei mais agendar a audiência. Quando cheguei na AL vi aquele burburinho e soube que haveria eleição e que Angélica já tinha os votos necessários. Quando os deputado me felicitavam pela passagem do aniversário, recebi um telefonema do governador e deixei o plenário. Ele me perguntou o que estava acontecendo e me pedia explicações".

"Disse ao governador que precisava conversar com Angélica porque havia acabado de chegar. Aproveitei aquele momento, inclusive, para comunicar ao governador que iria votar na reeleição da presidente. Ele me disse que não aceitava e que podia escolher entre votar no projeto de Angélica e continuar aliada a dele. Se eu votasse já seria adversária dele a partir do dia seguinte. Eu disse que lamentava muito, ele me pediu para repensar, mas eu disse a ele que tinha dado minha palavra e que ia cumpri-la", completou Maria Mendonça.

A deputada ainda acrescentou que faltou habilidade política do governador para impedir que tudo isso acontecesse. "Marcelo Déda não procurou ninguém! Quando ele resolveu procurar seus liderados já eram tarde demais. Acho que ele faz um grande governo, com obras e realizações para melhorar a vida dos sergipanos,mas no momento que Angélica lhe comunicou a decisão, ele deveria ter procurado os deputados. Um parlamentar representa uma fatia da população e ele deve ser respeitado e consultado. Déda não soube liderar seus liderados. Faltou habilidade ao governador".

Por fim, Maria Mendonça disse que não é aliada do governador por cargos, que no seu primeiro mandato o vereador de Itabaiana - Olivier Chagas (PT) - tinha 60% das indicações em Itabaiana e que todos os cargos que ela tem hoje continuaram de antes dela ser deputada. "Com Bosco Costa, Jorge Araújo e Ulices Andrade, eu percorri os quatro cantos desse Estado pedindo votos para Déda. Fui companheira, leal e fiel. Zé Teles foi candidato a deputado estadual em 2006sem poder subir no palanque e sem participar do programa eleitoral. João Alves(DEM) foi um grande governador e é um grande político, mas nós entendemos que Sergipe precisava de um projeto de mudança", disse.

"Será deputado Gualberto, que ao longo dessa história de cinco anos eu não demonstrei lealdade ao governador? Estou entregando todos os cargos que tenho no governo. Foi um equívoco tratar o cargo de Maria do Carmo Mendonça (irmã da deputada que foi exonerada do Detran). Liguei para todos pedindo que colocassem seus cargos a disposição do governador e que limpassem as gavetas. A história política dos Teles de Mendonça não pode ficar com uma pecha de traidores. Eu não trair o meu amigo e governador Marcelo Déda. Preservo a lisura de uma vida pública e privada,tenho espírito público, ética e respeito as pessoas e à democracia", finalizou a deputada, confirmando que aceitou o convite do empresário Edvan Amorim para participar da reunião desta quarta-feira (29) com os deputados de sua base política.

Habacuque Villacorte, da Agência Alese

 

 


DE OLHO NO INSTAGRAM