Deputados discutem a efetividade do programa Mais Médicos do governo federal

O Programa Mais Médicos do Governo Federal foi debatido na sessão da Assembleia Legislativa desta terça-feira, 17.

O deputado Gilson Andrade afirmou que sabe das dificuldades por que passam os profissionais médicos e também das dificuldades ainda maiores que passa a população no que se refere à atenção básica e também no serviço de urgência e emergência em Sergipe e em todo país. Segundo Gilson o programa Mais Médicos foi instituído através de uma Medida Provisória sem que houvesse um debate amplo, profundo com as entidades médicas.

A deputada Maria Mendonça (PSB) prestou sua solidariedade ao discurso do colega e disse que ouviu de uma médica que o país não precisa de mais médicos, mas de estrutura nas unidades de saúde, para que possam servir a população de maneira digna. "Ela disse que o que precisa é de material para trabalhar, de estrutura no trabalho, que não existe", disse a deputada, acrescentando que a médica disse que tem dias que falta o elementar, como seringa e gaze.

"E, lamentavelmente, tivemos o dissabor de entender que a presidente da República acha que faltam médicos. O que existe são médicos desmotivados, que chegam para trabalhar e não encontram em seu ambiente de trabalho as condições necessárias para executar seu serviço", disse, ao defender que é preciso que os três entes tenham a clareza que os médicos estão no país e querem trabalhar, mas precisam das condições estruturais. "É preciso que o governo do Estado priorize a saúde", disse Maria.

O deputado Antônio dos Santos (PSC) também se somou ao pronunciamento. Ele disse que todas as vezes que tem cobrado uma melhora para a saúde, normalmente tem isentado os profissionais de saúde que atuam no serviço público, mas tem visto nos hospitais quando visita profissionais abnegados, dedicados, mas que não dispõem das condições necessárias para executar seu trabalho. "Os médicos não são culpados pelo estado de caos que se encontra a saúde em Sergipe. Falta estrutura, o que tem levado muitas vezes à desistência dos médicos pelo serviço público. Se querem resolver a questão, equipem, aparelhem e veja se o serviço não vai andar. Não é só trazer médicos de fora".

Com Informações da Agência Alese


DE OLHO NO INSTAGRAM